Stephen Fry: it’s all about love


Em 1997, Zeca Baleiro lançava seu primeiro álbum: 
Por onde andará Stephen Fry?

Eu não sabia quem era Stephen Fry.
Devo ter dado uma olhada bem por cima,
e deixado para lá.



09/01/15 – Zeca Baleiro se apresenta no formato “voz & violão” / teatro de arena – caixa cultural (centro / rio de janeiro)



O caso é que, durante alguns anos,
meu caso de amor foi só com aquela música e aquele álbum.
Algum dia, finalmente, fui tentar saber mais sobre Stephen Fry.
E daí: Zeca, achei Stephen Fry! Ele está num documentário.

 

Enfim, foi graças ao Zeca do álbum (ou ao álbum do Zeca)
que acabei vendo o documentário de 2013 Out There,
acho que próximo ao ano de lançamento mesmo.



Stephen Fry: Out There | Episódio 1 (Legendado) – Documentário Completo



Stephen Fry: Out There | Episódio 2 (Legendado) – Documentário Completo

O documentário me abriu definitivamente os olhos para quem era o Inominável.


Revista Época, 2013:

“Foi um dos mais estranhos e sinistros encontros que já tive na vida”, disse o cineasta inglês Stephen Fry sobre o deputado federal Jair Bolsonaro ao comentar sobre o documentário Out There, sobre o avanço da homofobia no mundo, atualmente em exibição na BBC, no Reino Unido. Os dois primeiros episódios já estão rodando no YouTube desde a última semana. Durante a produção, Fry chegou a tentar o suicídio, provavelmente deprimido com o que presenciou. “Ver tanta ignorância, brutalidade, estupidez e horror não ajudou. Tive que me concentrar para não perder a calma diante dos absurdos ditos por esse senhor (Bolsonaro)”, disse o cineasta, que é gay assumido. “Nenhum pai tem orgulho de ter um filho gay”, repete Bolsonaro, ou ainda “nós, brasileiros, não gostamos dos homossexuais”, atribuindo as agressões aos homossexuais no Brasil ao uso de drogas e à prostituição. “Mas não há razão para clamor, não existe homofobia no Brasil”, diz o político para depois dar uma gargalhada. Fry comentou que o entrevistado é “o típico homofóbico que encontrei pelo mundo, com seu mantra de que os gays querem dominar a sociedade, recrutar crianças ou abusar delas. Mesmo num país progressista como o Brasil, suas mentiras criam histeria entre os ignorantes, dos quais a violência pode surgir”.

No documentário, Fry aparece sobrevoando o Cristo Redentor antes de aterrissar na cidade do Rio de Janeiro para conversar com o político em questão, justamente numa hora em que os crimes anti-gays estão aumentando na cidade – Fry conta a história de Alexandre Ivo, de 14 anos, que foi sequestrado por skinheads quando voltava de uma festa e foi brutalmente assassinado em 2010, em São Gonçalo. Ele entrevistou a mãe do adolescente, Angélica Ivo. O Brasil é apontado ao lado de Uganda e Rússia como um dos países nos quais políticos e líderes religiosos mais perseguem os homossexuais. 

O Dia, 2018:

“Fry entrevistou Bolsonaro, então deputado federal , em 2013, para seu programa da BBC, Out There, uma série sobre homofobia em todo o mundo. “

“O ator disse que sua entrevista com o deputado federal em 2013 foi um dos confrontos mais sinistros que já travou com um ser humano.

“Em vídeo postado pelo BuzzFeed Brasil, Fry disse que o discurso de Bolsonaro contra negros, mulheres e a comunidade LGBT é ‘genuinamente aterrorizante’”.

Rede Brasil Atual, 2018:

“Venho assistindo à forte ascensão dele na política brasileira com algum espanto. Eu o conheci, o entrevistei. E tenho que dizer, como fiz na época: foi um dos confrontos mais sinistros que eu já tive com um ser humano. Realmente senti que estava encarando dois olhos bem mortos e apavorantes.” Fry diz que Bolsonaro “vive em um mundo de fantasia, de militarismo”, que ele considera “profundamente perturbador e tenebroso”.

Sinistro e tenebroso sim, Stephen. Hoje, infelizmente, essa qualificação se estende aos que o lançaram como seu candidato à presidência, sabendo quem ele era. E aos que abriram caminho para que ele fosse eleito, sabendo quem ele era.


Revendo o documentário, revivo também a estupefação com tanta violência e dor causados pela homofobia.

Enfim, hoje amo não só a canção, o Zeca, o seu primeiro álbum.
Por onde quer que você ande, Stephen Fry, vai meu amor para você também.
(Inclusive por ter tentado alertar meu país para não dar poder a um sinistro tenebroso
com seus patrocinadores sinistros.)

 

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Dementadores, Documentário, Música, Memórias sonhos reflexões, Política e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s