Como pode a Mangueira cantar?


Assistindo desfiles das escolas de samba, eu dizia: Isso é um milagre. De fato, uma das faces mais milagrosas desse milagre maior pode ser representada pela pergunta: como pode a Mangueira cantar? Para o alto, meu Brasil. As escolas de samba revelam a cada ano que você pode cantar.



A Rainha de Bateria Evelyn Bastos, Cristo em corpo de mulher:

“Por romper tantas barreiras e aceitar correr riscos, Evelyn foi definitivamente um dos principais destaques deste carnaval – e certamente será lembrada nos próximos anos. Ela subverteu a objetificação da mulher como rainha de bateria e mesmo assim ganhou todos os holofotes. A musa da Mangueira conseguiu mostrar que beleza é um dos seus atributos, mas que ela tem muito mais a dizer. A rainha da verde e rosa soube como poucas abalar as velhas estruturas do samba através do corpo.”

“Como disse o carnavalesco da Mangueira, Leandro Vieira, uma rainha emplumada, coberta de cristais e seminua quer ser vista, mas uma rainha que atua e interpreta, quer ser ouvida. Ele tem razão e soube conduzir o percurso de sua musa na Avenida, usando a participação dela no desfile não como um enfeite, mas como reforço da história contada pelo enredo na Marquês de Sapucaí.”

– Daniela Alvarenga –

Clicar sobre a foto para ler mais.
Foto da agência O Globo.

Por Leandro Vieira. #BastidoresDaCriação:

O enredo para um carnaval é algo caro demais pra mim. Ele é o que me motiva a crer que o que realizo pode ir mais longe. Esse último, o do “Jesus da gente”, foi alvo das mais diversas críticas. Críticas inclusive, vindas da Escola que o considerava perigoso. Tenho pra mim que o perigo que a comunidade via no enredo tenha ligação direta com o medo que a comunidade tenha de se mostrar diante do público como de fato ela se exibe no dia a dia. Periférica, negra, favelada, e, por isso, marginalizada. Quem mora no morro sabe como eles são olhados quando descem do morro.

Eu, Leandro, enquanto artista sou sensível demais para aquilo que me cerca e isso é o que eu mais tento preservar para garantir a manutenção da verdade daquilo que realizo. Por isso mesmo, nos últimos anos, tenho feito dos carnavais da Mangueira algo mais reflexivo.

Desde 2016, que me obrigo a fazer o caminho da volta para a casa passando pela comunidade que represento. Eu até podia escolher outros caminhos, inclusive mais seguros, mas me obrigo a passar por alí todos os dias como quem realiza um exercício: vê-la fora do carnaval é enxergá-la para o carnaval e é impossível pra mim não querer apresentar a Mangueira no carnaval da maneira como eu a apresento até aqui.

São incontáveis cenas de jovens pretos com a mão na cabeça, a revista no muro, a abordagem nos carros. Muitos reconheço de longe como integrantes de algum segmento da escola e isso embrulha o sentimento da gente. Nós últimos anos, subi o morro da Mangueira três vezes. Se eu contar pra vocês a pobreza que assola logo os primeiros becos de quem sobe o morro, vocês certamente não acreditariam. Saber que a Mangueira canta, assusta e emociona. O Cartola, esse gênio popular que eu conheci a vida inteira pelos discos, certa vez disse que: “habitada por gente simples e tão pobre, que só tem o sol que a todos cobre, como pode Mangueira cantar?”. Isolado, o verso já é lindo. Lá de dentro, diante da miséria que salta aos olhos, ele te revira ao avesso.

As três visitas ao Morro e as passagens diárias pela comunidade certamente me fizeram outra pessoa. E essa pessoa é a mesma que faz o carnaval da Mangueira. O que produzo para a Mangueira dos últimos anos é exatamente o que a Mangueira me mostra precisar. Não apenas para o carnaval, mas sim, para a rotina diária.

É preciso ver heroísmo nessa gente. É preciso dar-lhe protagonismo. É preciso dizer que o juventude preta, tatuada e platinada não é o “bandido” que tá na cruz alegórica.

Remar contra a maré cansa porque a maré é mais forte que o braço. Mas remar com o braço contra a maré fortifica os músculos de quem rema. As notas dez nas cinco cabines – o único quesito nota cinquenta da Mangueira – cala os muitos que estão na espreita de que o carnavalesco peque pelo discurso. A nota máxima em samba-enredo cala os muitos que esperam que o discurso traduzido em samba seja penalizado.

Sabe o que vocês precisam saber: Que a verdade liberta. A verdade liberta porque ela dói. E é na dor que eu aprendi – olhando para a Mangueira – que a gente precisa de asas.

Fonte: Facebook de Leandro Vieira


“… o termo ‘Evangelho’ quer dizer notícia feliz, interessante, oportuna e significante… […]

Considerando que Jesus não é propriedade privada de nenhuma igreja e que o Espirito Santo é livre e, por isso, fala onde quer e como quer, é possível pensar num Deus falando na Sapucaí, infelizmente, às vezes de forma mais potente do que nas igrejas.”

– Padre Geraldo Natalino –

 


Ver também: Mangueira gabarita enredo, mas acaba em sexto no carnaval do Rio

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Do espírito, Nossa cultura e marcado , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s