Jaguadarte


jabberwocky


Havia um livro em cima da mesa perto de Alice, e […] folheou um pouco, procurando algo que pudesse ler – “pois está escrito em alguma língua que eu não conheço”, dizia para si mesma. Contemplou intrigada essas linhas durante algum tempo, até que uma idéia luminosa lhe ocorreu: “É claro, só pode ser, é um livro do Espelho! Se eu colocá-lo diante do espelho as palavras vão ficar na ordem certa outra vez”.

E foi este o poema que Alice leu:

jaguadarte

 “Parece muito bonito”, disse consigo quando terminou de ler, “mas é um pouquinho difícil de entender!” (Como se vê, ela não queria admitir nem para si mesma que não tinha entendido nada.)


CARROLL, Lewis. Aventuras de Alice no país das maravilhas.
Através do espelho e o que Alice encontrou lá
.
trad. Sebastião Uchoa Leite.
São Paulo: Summus, 1980. p. 146-148.
O poema “Jaguadarte”,
assim como “Recado aos peixes” [canção de Humpty Dumpty]
e a “Canção da sopa” da Falsa Tartaruga
foram traduzidos por Augusto de Campos, que os cedeu para essa edição.
A inversão do poema foi obra e arte inútil deste blog.
O leitor interessado certamente terá algum espelho em casa.

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Literatura adorada e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s