Boa resposta à misoginia

Na Revista Pitacos, 21/07/2013.
Via @cidcancer, com edição minha.

O SEIO DE AMANDA PALMER

No fim de junho, ocorreu um claro esforço, inicialmente por parte de um jornal britânico, de reduzir a apresentação da cantora e performancer britânica Amanda Palmer, durante o prestigiado “Glastonbury Festival”, a uma mera polêmica de “peitinhos escapando do sutiã”. Conhecemos muito bem essa prática. É comum no Brasil. Verdadeiramente é a munição de uso mais comum do ocidente, muito mais comum que as balas do velho trinta e oito cano seco, e mais poderosa que uma pedrada da Magnum 45. Com cada tiro se produz duas vítimas. O Artista e o Público. Mas felizmente tem gente que sabe atirar de volta.

Se um público passa a acreditar que flagra de perseguida, cruzada de perna, e vazamento de sutiã, são o que de melhor uma artista, por ser mulher, pode oferecer, significa que arte mesmo o tal grande público já não reconhece, C’est la vie. Quando uma artista tem sua obra reduzida, pela insistência da mídia, em falsas polêmicas, quando a ignorância para as massas esvazia o conteúdo polêmico, contestador ou simplesmente político de uma artista, quando jornalistas e jornalões gritam para uma artista: Cante o que quiser – não estaremos ouvindo – só nos interessa filmar seu peito pulando do decote. É porque a mídia teme que conteúdo seja produzido fora de seu controle, de sua pauta. Teme que o público se interesse por algo que seja difícil de produzir, seja caro, seja raro, seja especial. A ênfase no corpo das artistas não é devido a machismo puramente: a indústria jornalística se lixa para homens, papagaios, patriarcado ou o que quer seja. O que não pode permitir que exista é oferta de originalidade. É preciso que todos os homens sejam apenas libido, e todas as mulheres apenas objeto. Pistão e biela. Porque assim tudo que a mídia precisa produzir, dirigir, vender, é o bom entra e sai. Testado, aprovado, seguro, e nada de variar muito nas posições.

Mas o Daily Mail, jornal que chamou de crítica de arte ao apelativo atentado à reputação que pretendeu cometer, mexeu com quem não devia. Amanda Palmer não é uma celebridade qualquer, dessas formadas em cursinho pra ator do baixo gávea ou na mesa de algum doutor frankstein do silicone. Ela é uma artista burlesca, ativista e cantora com uma formação artística invejável, e uma obra coerente e inovadora. Exatamente o tipo de artista de que vemos poucos na televisão, e dos quais nossa cultura está carente. Amanda soube dar uma resposta adequada e com um humor refinado, agora o tabloide precisa dormir com o barulho.

Abaixo o vídeo da apresentação [com legendas] de Amanda, chamada “Dear Daily Mail. Sincerely, Amanda Palmer”, e uma outra versão da tradução para o português (obtida na net e creditada a JM Trevisan e @meninanaopode).





Caro Daily Mail,
recentemente fiquei sabendo
que minha última apresentação no Festival de Glastonbury
recebeu uma menção carinhosa.

Eu estava lá fazendo uma porção de coisas no palco,
inclusive cantar canções (como vocês também fazem…),
mas vocês preferiram ignorar essa parte
e publicar uma matéria analisando meu peito.

Caro Daily Mail,
existe um negócio chamado site de pesquisa: use!
Se vocês tivessem procurado meus peitos no Google antes,
teriam descoberto que as fotos que tiraram estão longe de serem exclusivas.

Aliás, vocês declaram que meu seio
escapou do meu sutiã como um ladrão fugitivo:
como vocês sabem que ele não estava
só querendo tirar uma lasquinha do RARO sol britânico?

Caro Daily Mail,
é tão triste o que vocês tablóides fazem:
seu foco na degradação da aparência feminina
arruína nossa espécie humana.

Mas jornalecos serão sempre jornalecos,
e longe de mim querer censurar qualquer um…

OH, NÃO!
Parece que meu corpo inteiro está tentando escapar deste kimono…

Caro Daily Mail,
bando de misóginos arrombados,
cansei dessas barriguinhas de grávida,
flagras de vaginas, capôs de fusca…
e PINTO, que é o que interessa, cadê?

Se Iggy ou Jagger ou Bowie tirarem a camisa, ninguém nem liga.
Blá blá blá feminista blá blá blá bobeira de gênero blá blá blá

OH, MEU DEUS, UM MAMILO!!!!

Caro Daily Mail,
vocês nunca vão escrever sobre esta noite.
Sei disso porque respondi a vocês diretamente,
e isso faz a briga perder a graça.

Mas graças ao pessoal da internet,
o mundo todo pode ouvir este discurso
e compartilhar com uma sala cheia de gente em Londres,
que não está bebendo kool- aid, como vocês.

E embora haja milhões de pessoas
que aceitarão o padrão cultural que vocês impõem,
há muitas outras que estão perfeitamente dispostas
a ver seios em seu habitat natural.

Espero ansiosa pela cobertura altamente culta de vocês
sobre minhas próximas turnês.

Caro Daily Mail,
PAU NO SEU CU.

Clique aqui para ver o post completo, incluindo reprodução da reportagem do Daily Mail.

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Condição das mulheres, Música e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s