Para ser escravo é preciso estudar – Daniel Oliveira


Não deu para resistir a reproduzir aqui o post de Daniel Oliveira publicado em 03 de fevereiro de 2011 (a partir do blog O Suficiente da Vida). Ganhou uma tentativa de diálogo Brasil-Portugal, com o famoso vídeo de Amanda Gurgel ao final.

Às vezes uma música resume quase todas as angústias e revoltas de uma geração. Não precisa de grandes declarações ideológicas. Há uns dias, o grupo Deolinda pôs o Coliseu do Porto de pé. Uma frase simples – “que Mundo tão parvo em que para ser escravo é preciso estudar” – torna-se facilmente o grito de uma geração adiada. Impedida de sair de casa dos seus pais para construir as suas vidas, condenada ao recibo verde, aos caprichos dos negreiros a que agora se dá o nome de “empresas de trabalho temporário” e a salários miseráveis que lhe são pagos como se de um favor se tratasse.

Claro que nas colunas de jornais e de edições online lá estarão outros jovens que, como em todas as épocas, não se importam de ser os intelectuais amestrados do regime, e nas televisões muitos economistas ideologicamente encartados continuarão a dedicar-se aos ralhetes mediáticos à Nação. A tese continuará a ser a mesma: a desgraça desta geração resulta dos “privilégios” dos mais velhos. É sempre esta a teoria: não tens direitos porque outros os têm. O teu inimigo é o teu pai, o sindicato, o que tem contrato, o imigrante. O inimigo da tua dignidade é sempre a dignidade do teu vizinho. Convenientemente, a desgraça da geração 500 euros é a de haver quem ainda não tenha as suas vidas a prazo. E assim se poupa quem realmente lucra com o trabalho descartável.

Pode ser diferente? Pode. E tudo começa onde sempre começou: na capacidade das pessoas se revoltarem. Se as frases simples que se ouvem nesta música retratam tão bem as suas vida, só lhes falta fazer um pouco mais do que aplaudir. Se olharem para a história universal e dela tirarem a maior das lições: nunca a dignidade foi oferecida a ninguém. Foi sempre conquistada contra o que parecia inevitável.

Em baixo, deixo a letra de “Parva que sou”. Podia bem ser o hino da primeira geração que, apesar de ser a mais bem preparada de sempre, parece estar condenada a viver pior do que os seus pais:

Sou da geração sem remuneração
E não me incomoda esta condição
Que parva que eu sou
Porque isto está mal e vai continuar
Já é uma sorte eu poder estagiar
Que parva que eu sou
E fico a pensar
Que mundo tão parvo
Onde para ser escravo é preciso estudar
Sou da geração ‘casinha do pai’
Se já tenho tudo, pra quê querer mais?
Que parva que eu sou
Filhos, marido, estou sempre a adiar
E ainda me falta o carro pagar
Que parva que eu sou
E fico a pensar
Que mundo tão parvo
Onde para ser escravo é preciso estudar
Sou da geração ‘vou queixar-me pra quê?’
Há alguém bem pior do que eu na TV
Que parva que eu sou
Sou da geração ‘eu já não posso mais!
Que esta situação dura há tempo demais
E parva não sou’
E fico a pensar,
Que mundo tão parvo
Onde para ser escravo é preciso estudar




Anúncios

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Educação e formação, Música, Textos instigantes, Violências e marcado , , , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s