Iemanjá


Com a licença de mãe Oxum e pai Oxóssi, uma homenagem à Rainha do Mar. Canto de Bethânia e texto de Ju Pagul. Odo-ya, rainha Iemanjá.



Quando eu morrer, voltarei para buscar os instantes que não vivi junto ao mar.~Sophia de Mello Breyner Andresen~



IEMANJÁ, PRESENTE DAS ÁGUAS
Ju Pagul, em Blogueiras Feministas

Dia 02 de fevereiro por todo litoral brasileiro praias são banhadas de rosas, perfumes, barquinhos, presentes e infinitas cores e mergulhos. A motivação dos festejos é Iemanjá, orixá feminina, mãe das águas, Rainha do mar. Odo-ya, sua saudação, vira canto. E ela sereia, nas ondas, nos banhos vem receber as oferendas e retribuir os agrados.

Moro longe do mar. Mas há anos um impulso certeiro me leva pra areia, pra brisa e os ventos desta que considero a festa mais bonita. Em cada edição um novo tesouro é revelado. Do Rio Vermelho (Salvador/BA) trago as lembranças da madrugada, das velas acesas, do pé no chão, daquela horinha sagrada, na hora grande, de silêncio e fé.

Tenho aqui o despertar destes encantos levinhos, do cheiro de dendê e da família de fé, imensa, que vira noite e dia entre capela, fonte, atabaques e banhos. Foi no Rio Vermelho que aprendi a sereiar. Do feitio fantástico do balaio de flores até a comida que alimenta a família, nossa gente de fé e a banda (inteira!) do bairro.

Desde o Rio Vermelho meu barravento navega mar de farturas e solidariedade. Sempre guiado pela reverência ao legado dos povos de matriz africana, cuja resistência voraz e inspiradora permite que esta força se multiplique e seja reconhecida e celebrada aos sete mares. Para que nos oceanos onde a maré avessa prevaleça esta mesma força que nos banha.

Esta vivência nos festejos, nas casas (ou ilês) são compartilhados saberes seculares transmitido oralmente. Cultuar é experiência vivida, que fertiliza muitas culturas. São cultuados comumente inventores de objetos, utensílios, fórmulas… Da vivência nos terreiros aprendi a cultuar inventoras. Pois, cada terreiro é uma reinvenção de mundos. Nascem ali sabedorias, sentidos e emoções.

Aprendi que tesouro mesmo é nossa subjetividade e psique profundas. E são nestes mares que navegam nossas ancestrais e as nossas futuras, compartilhamos todas das mesmas águas. Penso que algumas mergulham mais fundo que outras. E quanto mais fundo mergulhamos, sentimos necessidade das cores, da soberania, do transcender, da coragem, do cuidado, da justiça, da beleza, da bondade e da diversidade.


Metade da minha alma é feita de maresia.~Sophia de Mello Breyner Andresen~


A Bahia e seu legado inspiraram um belo livro sobre “Besouro do Manganga”, o mitológico capoeirista do recôncavo. No livro tem uma frase que não me sai da mente e coração: “mulher é mistério e mistério não convém contrariar”. A capoeira está para o corpo, assim como os orixás para alma. Alimentos em canto, toques e danças de sobrevivência, emponderamento, liberdade.

Inspirada nesta maré, busco convergir todas que sou. E flui o encontro da sacerdotisa com a feminista, sem entraves. Como Rio que corre pro mar. Como as praias que são oceanos buscando romper os limites (em toadas, encantadoras), forçando e expandido a terra-areia. A prática feminista é culto de liberdade. Insistir em vida plena. E tornar-se senhora dos mares que escolho navegar e dona dos mistérios que trago.

Mas mulher é tanto e tantas que não cabe em definição alguma. E acho uma delícia de metáfora pensar nossos mistérios como os do mar e suas profundezas. O ser humano conhece pouco do próprio oceano… Iemanjá guarda suas águas profundas.

Certa vez, num 2 de fevereiro, litoral de Santa Catarina, reuni inventoras fantásticas. Era noite e muitos atabaques encantavam a praia. Nesta festa reuni Mestra Elma (minha mestra de capoeira angola), a mãe de Santo Zenith de Oxum –sacerdotisa que me iniciou no cultuo e portanto minha eterna mãe, e uma Yadekan que cantava e tocava vigorosamente, parecia uma maquina-do-tempo em atividade… levava todo mundo para África.

Ali com estas três mulheres descobri a que vai além dos limites, a que assume a coragem e o canto e a que domina as energias, devolvendo à Natureza o que excede. E hoje, neste 2 de fevereiro de 2012, escrevo banhada por Mãe Iemanjá no Rio de Janeiro. Fui a uma festa comandada por Mãe Beata.

Nesta madrugada celebramos Iemanja com oferendas, cantos, danças e até cortejo. E sempre na oralidade, mais uma vez, reservamos um tempo pra compartilhamos ensinamentos. Ali celebramos o axé (que significa força). A fecundidade, que me fez pensar no protagonismo feminino no culto aos orixás. Conversando com mãe Beata, me surpreendo. A matriarca fala da importância do estado laico.

“Faço minha parte. Somos todas ao mesmo tempo. Não vamos medir a distância que temos umas das outras, todas que quiserem podem me copiar. Minha vida, venci puxando até desfazer todos os nós”.

E quando os atabaques silenciaram, ao final da incrível cerimônia, ela disse: “Eu não tenho palavras para descrever e agradecer esta cultura. Para isto, dou meu sangue”. Ah, dezenas de olhos marejaram! Pensei nos nossos fluxos, como ondas… viva às flores ao mar.



Anúncios

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Do espírito, Homenagens, Música, Nossa cultura e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s