Aprender com os pés-descalços – Bunker Roy

Fonte: TED – Ideas worth spreading.
Em Rajasthan, na Índia, uma escola extraordinária ensina mulheres e homens do meio rural – muitos deles analfabetos – a se tornarem engenheiros solares, artesãos, dentistas e médicos nas suas próprias aldeias. Chama-se Faculdade dos Pés-Descalços. Seu fundador foi Bunker Roy. A ideia é tornar as comunidades locais auto-suficientes. No vídeo, ele fala um pouco sobre ela.

TRANSCRIÇÃO (UM POUCO MODIFICADA) DAS LEGENDAS DO VÍDEO

Gostaria de levar vocês a um outro mundo e compartilhar uma história de amor de 45 anos, com pessoas pobres que vivem com menos de um dólar por dia.

Eu tive uma educação elitista, esnobe e cara, na Índia. E isso quase me destuiu. Fui formado para ser diplomata, professor, médico. Estava tudo  certo. […] O mundo inteiro estava à minha disposição. Eu tinha tudo aos meus pés. Nada podia dar errado. Então pensei que, por curiosidade, gostaria de ir morar e trabalhar numa aldeia, só pra ver como era. Era o ano de 1965, e eu testemunhei aquela que foi considerada a pior crise de fome, em Bihar, na Índia. Vi fome e morte, pela primeira vez. Vi pessoas morrendo de fome. Isso mudou a minha vida.

Cheguei em casa e disse à minha mãe: “Quero ir morar e trabalhar numa aldeia”. Minha mãe entrou em coma: “Como assim? O mundo inteiro à sua disposição, os melhores empregos… Tem alguma coisa de errado com você?” Eu disse: “Não. Eu tive uma formação das melhores e isso me fez pensar: eu queria retribuir de alguma forma, do meu jeito”. “O que você vai fazer numa aldeia? Sem emprego, sem dinheiro, sem estabilidade, sem perspectivas?” Eu disse: “Eu quero ir morar e cavar poços durante cinco anos”. “Cavar poços? Você frequentou a escola e a faculdade mais caras da Índia e você quer passar cinco anos cavando poços?” Ela parou de falar comigo por muito tempo, porque achava que eu tinha decepcionado a minha família.

Mas foi então que eu pude ter contato com conhecimentos e habilidades dos mais extraordinários, que as pessoas muito pobres têm e que nunca vêm ao conhecimento público, nunca são identificados, respeitados e aplicados amplamente. Tive a ideia de fundar uma Faculdade de Pés-Descalços, uma faculdade só para pessoas pobres. O que as pessoas pobres considerassem importante seria acolhido nessa faculdade.

Fui para uma aldeia onde eu nunca tinha estado. Os mais velhos vieram e me perguntaram: “Você está fugindo da polícia?” Eu disse: “Não.” “Você foi reprovado na faculdade?” Eu disse: “Não.” “Você não conseguiu arranjar um cargo público.” Eu disse: “Não é isso.” “O que você está fazendo aqui? Por que você está aqui? O sistema de educação na Índia leva a ter os olhos voltados para Paris, Nova Deli e Zurique. O que você está fazendo nesta aldeia? Tem alguma coisa que você está escondendo de nós?” Eu disse: “Não. Na verdade, eu quero abrir uma faculdade só para pessoas pobres, que trate do que as pessoas pobres achem importante.” Então eles me deram um conselho sensato e sábio: “Por favor, não traga ninguém com titulação acadêmica ou qualificação profissional para a sua faculdade”. Assim, essa é a única faculdade da Índia onde, se você tem um doutorado ou um mestrado, não é visto como qualificado. Você tem de ser um inconformado, um desgraçado ou um marginalizado para vir para a nossa faculdade. Você precisa ser alguém que trabalha com as mãos. Tem que ter a dignidade de um trabalhador. Tem que mostrar uma habilidade que possa oferecer à comunidade, para prestar um serviço à comunidade.

Foi assim que surgiu a Faculdade dos Pés-Descalços. E redefiniu profissionalismo. Quem é um profissional? Um profissional é alguém em quem se combinam competência, confiança e fé. Uma parteira tradicional é uma profissional. Um oleiro tradicional é um profissional. Há profissionais espalhados pelo mundo todo, em qualquer aldeia inacessível do mundo. E acreditamos que essas pessoas tinham que entrar em cena e mostrar que os conhecimentos e habilidades que elas têm são universais. Precisamos usá-los, aplicá-los e mostrar para o mundo lá fora que esses conhecimentos e habilidades ainda têm valor hoje em dia.

A faculdade funciona de acordo com o estilo de vida e de trabalho de Mahatma Gandhi: comer no chão, dormir no chão, trabalhar no chão. Não tem contratos formais, escritos. Você pode ficar vinte anos ou ir embora amanhã. E ninguém pode receber mais do que 100 dólares por mês. Quem vier pelo dinheiro, não entra para a Faculdade dos Pés-Descalços. Quem vier pelo trabalho e pelo desafio, entra para a Faculdade dos Pés-Descalços. Lá queremos que sejam postas em prática ideias malucas. Se você tiver uma ideia, venha testar. Não tem problema se der errado. Decepcionado e ferido, você pode começar de novo. É a única universidade onde o professor é aprendiz, e o aprendiz é professor. É a única universidade que não dá diploma. Você é diplomado pela comunidade à qual presta serviço. Não precisa de um papel para pendurar na parede para mostrar que é engenheiro.

Quando eu tive essa ideia, os mais velhos da aldeia disseram: “Bom, prove que isso é possível. É pura conversa enquanto você não puser em prática”. A primeira Faculdade dos Pés Descalços surgiu em 1986. Foi construída por doze arquitetos de pés-descalços, que não sabem ler nem escrever. Construída por um dólar e meio o metro quadrado. Cento e cinquenta pessoas moraram ali, trabalharam ali. Receberam o prêmio Aga Khan de Arquitetura em 2002. Mas aí houve a suspeita de que tivesse algum arquiteto por trás. Eu disse: “É verdade, eles fizeram as plantas, mas os arquitetos pés-descalços foram os que efetivamente construíram a universidade”. Nós fomos os primeiros a devolver o prêmio de 500.000 dólares, porque não acreditaram em nós, e nós achamos que aquilo era um insulto para com os arquitetos pés-descalços da Tilônia.

Consultei um especialista, qualificado: “O que dá para plantar nesse lugar?” Ele olhou o terreno e disse: “Sem chances, não cresce nada aqui: não tem água, solo rochoso…” Eu, lá no terreno, pensei: “Bom, vou procurar um dos anciãos”. Perguntei: “O que dá para plantar neste lugar?” Ele me olhou bem tranquilo e disse: “Isso, aquilo, tal outra coisa vai dar certo”. E essa é a cara que aquilo lá tem hoje [Foto das plantas no vídeo].

No telhado, as mulheres disseram: “Pode ir saindo daqui! Os homens têm que sair porque nós não vamos passar essa tecnologia para homens. Estamos impermeabilizando o teto.” Vai um pouco de açúcar mascavo, um pouco de urina, alguma coisa mais que eu não sei, mas não tem mesmo infiltração. Desde 1986, nunca entrou água. E essa é uma tecnologia que as mulheres não ensinam para os homens.

É a única universidade totalmente abastecida por energia solar. Toda a energia vem do sol, de painéis de 45 kilowatts no telhado. Tudo vai funcionar à base de sol nos próximos 25 anos. Enquanto o sol brilhar, não vamos ter falta de energia. E o bonito é que tudo aquilo foi instalado por um padre, um padre hindu que só cursou os oito anos do ensino primário. Não tem ensino secundário, nunca pisou numa faculdade. E ele sabe mais sobre energia solar do que qualquer outra pessoa que eu conheço no mundo, sem dúvida.

Se um dia vocês forem lá, vão ver que tudo é cozinhado com energia solar. As pessoa que fabricaram o fogão à energia solar são mulheres. São mulheres analfabetas que fabricam o fogão solar mais sofisticado: um fogão solar movido a parabólica Scheffler. Infelizmente elas são quase meio-alemãs, de tanta precisão. Vocês nunca vão encontrar mulheres indianas capazes de tanta precisão. Elas conseguem fazer o fogão com precisão em cada mínima polegada. E nós temos 60 refeições, duas vezes por dia, que são feitas com energia solar.

Também temos uma dentista. É uma senhora que é avó, analfabeta, e é dentista. Ela trata os dentes de 7.000 crianças.

Desde 1986 – sem nenhum arquiteto ou engenheiro envolvido nisso -, estamos coletando água dos telhados. Há muito pouco desperdício de água. Todos os telhados estão ligados a um tanque de 400.000 litros no subsolo, e pouca água se perde. Se tivéssemos uma seca de quatro anos, ainda assim não faltaria água no campus, graças à coleta de água das chuvas.

Normalmente, 60% das crianças não vão à escola, porque elas precisam cuidar dos animais, fazer trabalhos domésticos… Por isso nós pensamos em criar uma escola noturna para as crianças. Na Tilônia, mais de 75.000 crianças frequentam essas escolas noturnas, porque elas são adequadas aos horários das crianças, não dos professores. O que ensinamos nessas escolas? Democracia, cidadania, como medir o seu terreno, o que você deve fazer se for preso, o que fazer quando um animal está doente. É isso o que ensinamos nas escolas noturnas. Todas as escolas são iluminadas com energia solar. A cada cinco anos fazemos uma eleição. As crianças entre 6 e 14 anos participam de um processo democrático e elegem um primeiro-ministro. A atual primeira-ministra tem 12 anos. De manhã, ela toma conta de vinte cabras, mas à noite ela é a primeira-ministra. Tem um governo, um ministro da educação, um ministro de energia, um ministro da saúde. Eles acompanham e supervisionam 150 escolas com 7.000 crianças. Ela recebeu o Prêmio das Crianças do Mundo há cinco anos e viajou para a Suécia. Foi a primeira vez que ela saiu da aldeia. Nunca tinha visto a Suécia. Não estava nada deslumbrada com o que estava acontecendo. A rainha da Suécia se virou para mim e disse: “Pregunte a essa criança onde ela arranjou tanta auto-confiança. Ela só tem 12 anos! E não está desconcertada com nada.” E a garota, à esquerda dela, se virou para mim, olhou para a rainha bem nos olhos e disse: “Por favor, explique a ela que eu sou a primeira-ministra”.

Onde a porcentagem de analfabetismo é muito alta, usamos fantoches. Eles são nosso meio de comunicação. Temos o Jaokim Chacha, que tem 300 anos. Ele é meu psicanalista, meu professor, meu médico, meu advogado, meu patrocinador. Ele arrecada dinheiro e resolve disputas. Resolve os problemas na aldeia. Quando as coisas ficam tensas na aldeia, se a frequência às aulas cai, se há algum atrito entre um professor e um pai, o fantoche chama o professor e o pai diante da aldeia e diz: “Façam as pazes”. “A frequência às aulas não deve cair…” Esse fantoches são feitos de relatórios reciclados do Banco Mundial.

Essa abordagem descentralizada, desmistificada, do abastecimento de eletricidade das aldeias com energia solar, está por toda a Índia, desde Ladakh até o Butão. Tudo com energia elétrica instalada por pessoas que receberam formação. Fomos a Ladakh e perguntamos a esta mulher [foto no vídeo], a 40 graus negativos – era impossível ficar no telhado porque estava tudo coberto de neve por todos os lados. Perguntamos: “Qual foi o benefício do abastecimento solar de energia?”. Ela pensou um pouco e disse: “É a primeira vez que eu consigo ver a cara do meu marido no inverno”.

Fomos para o Afeganistão. Uma lição que aprendemos na Índia foi que é impossível ensinar os homens: homens são inquietos, homens são ambiciosos, homens são compulsivamente nômades… e todos eles querem um diploma. É uma tendência no mundo todo: os homens querem um diploma. Por quê? Porque eles querem sair da aldeia e ir para a cidade, para procurar um emprego. Então encontramos uma solução ótima: ensinar as avós. Qual é a melhor forma de se comunicar no mundo de hoje? A televisão? Não. O telégrafo? Não. Telefone? Não. Telemulher: conte para uma mulher. Chegamos no Afeganistão, escolhemos três mulheres e dissemos que queríamos levá-las para a Índia. Disseram: “Impossível. Elas não saem nem dos próprios quartos e vocês querem levá-las para a Índia…” Eu disse: “Faço uma concessão e levo junto os maridos”. Levei os maridos com elas. E é evidente que as mulheres eram muito mais inteligentes do que os homens. Seis meses depois, como tínhamos mudado essas mulheres? Com linguagem gestual. Não usamos a palavra escrita. Não usamos a palavra falada. Usamos linguagem gestual. Em seis meses elas se tornaram engenheiras solares, voltaram e instalaram energia solar na sua própria aldeia. Esta mulher voltou e instalou redes de energia solar na primeira aldeia, montou uma oficina. A primeira aldeia abastecida com energia solar no Afeganistão foi obra de três mulheres [imagem no vídeo]. Esta mulher [imagem no vídeo] é uma avó extraordinária. Tem 55 anos e instalou energia solar para mim em 200 casas do Afeganistão. E elas não desabaram. Tem mais: ela foi falar com um departamento de engenharia no Afeganistão e acabou explicando para o chefe do departamento a diferença entre AC e DC (corrente alternada e estacionária, respectivamente). Ele não sabia… Aquelas três mulheres ensinaram outras 27 mulheres, que levaram energia elétrica para 100 aldeias do Afeganistão, energia solar.

Fomos para a África e fizemos o mesmo. Todas essas mulheres sentadas à mesma mesa [imagem no vídeo], que são de oito ou nove países, todas elas estão conversando entre si, sem entender uma palavra, já que falam línguas diferentes, mas a linguagem corporal delas é extraordinária. Elas estão conversando entre si e se tornando engenheiras solares.

Fui para Serra Leoa. Um dia, um ministro que ia dirigindo pela estrada à noite passou por uma aldeia, deu meia-volta, entrou na aldeia e perguntou: “O que é isso aqui?” Responderam: “Foram essas duas avós”. O ministro não acreditava naquilo: “Para onde elas foram?” “Foram para a Índia e voltaram”. Ele foi procurar o presidente e disse: “Sabe que há uma aldeia abastecida com energia solar em Serra Leoa?” Ele disse: “Não”. A metade do governo foi visitar as avós no dia seguinte: “Queremos saber direito essa história”. Aí o presidente me chamou e disse: “Você pode ensinar mais 150 senhoras para mim?” Eu disse: “Eu não posso, senhor presidente. Mas as mulheres que fizeram as instalações na aldeia podem.” Foi assim que ele construiu para mim o primeiro centro de ensino Pés-Descalços em Serra Leoa. E 150 avós foram ensinadas em Serra Leoa.

Gâmbia… Fomos à Gâmbia para selecionar uma avó. Chegamos numa aldeia. Eu sabia qual das mulheres gostaria de levar. A comunidade se reuniu e disse: “Leve essas duas mulheres aqui.” Eu disse: “Não. Eu quero levar esta aqui.” Eles disseram: “Por quê? Ela não sabe a sua língua, você não a conhece…” Eu disse: “Eu gosto da linguagem corporal dela, gosto de como ela fala.” “Bom, ela tem um marido meio complicado, não vai dar.” “Chamem o marido”. O marido apareceu: fanfarrão, político, de celular na mão… Eu disse: ” “Nem pensar”. “Como não? Veja só, ela é bonita…” Eu disse: “É, ela é muito bonita.” “E se ela fugir com um indiano?” Era esse o medo deles… Eu disse: “Ela vai ficar bem. Vai ligar para o celular dele e tal.” Ela chegou como uma avó e voltou como um tigre. Desceu do avião e falou com a imprensa como se fosse uma veterana. Lidou com a comunicação social nacional e virou uma estrela. Quando eu voltei, seis meses depois, perguntei: “Onde está o seu marido?” Ela disse: “Ah, ele está por aí, não importa.” Uma história de sucesso…

Queria terminar dizendo apenas o seguinte: eu acredito que não é preciso procurar soluções no exterior. Procurem as soluções dentro. Escutem as pessoas que têm as soluções bem na frente de vocês. Elas existem no mundo todo, não há com que se preocupar. Não dêem ouvidos ao Banco Mundial: escutem as pessoas do lugar. Elas têm todas as soluções do mundo. Termino com uma citação de Mahatma Gandhi:

Primeiro as pessoas ignoram você.
Depois riem de você.
Depois lutam contra você.
Depois…
…você vence.

Anúncios

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Educação e formação, Política e marcado , , , , . Guardar link permanente.

4 respostas para Aprender com os pés-descalços – Bunker Roy

  1. Fábio Bruno disse:

    Boa tarde !
    Gostaria de ir a Índia conhecer esse projto como faço para pegar o endereço e os contatos ??

    Abçs

    • Ani disse:

      Oi, Fábio! Também fiquei com uma vontade danada de ir conhecer de perto. Mas infelizmente não sei quais são os contatos nem o endereço. Tive acesso ao vídeo porque me mandaram por e-mail o link para esta página: http://bit.ly/u6rFFL. Talvez perguntando lá você consiga alguma informação. Abraço, sempre bem-vindo ao blog.

  2. Muito interessante para todas as comunidades globais interconectadas, não acham?!

  3. Vale super a pena para todas as comunidades globais interconectadas em seus saberes!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s