“A ordem criminosa do mundo” e outros aturdimentos

Publicado originalmente em Carta Maior, 02 de janeiro de 2012

Em novembro de 2008, a TVE (Espanha) exibiu um documentário intitulado “A ordem criminosa do mundo”. Nele, Eduardo Galeano, Jean Ziegler e outras personalidades mundiais falam sobre a transformação da ordem capitalista mundial em um esquema mortífero e criminoso para milhões de pessoas em todo o mundo. Mais de três anos depois, o documentário permanece mais atual do que nunca, com alguns traços antecipatórios da crise que viria atingir em cheio também a Europa. Reproduzimos aqui o vídeo, legendado em português, e algumas das principais afirmações de Galeano e Ziegler:

“Os verdadeiros donos do mundo hoje são invisíveis”

“Os verdadeiros donos do mundo hoje são invisíveis. Não estão submetidos a nenhum controle social, sindical, parlamentar. São homens nas sombras que procuram o governo do mundo. Atrás dos Estados, atrás das organizações internacionais, há um governo oligárquico, de muito poucas pessoas, mas que exercem um controle social sobre a humanidade, como jamais Papa algum, Imperador ou Rei teve”. (Jean Ziegler)

“O atual sistema universal de poder converteu o mundo num manicômio e num matadouro” (Eduardo Galeano).

“A globalização é uma grande mentira”

“O capital financeiro percorre o planeta 24 horas por dia com um único objetivo: buscar o lucro máximo. A globalização é uma grande mentira. Os donos do grande capital que dirigem o mecanismo da globalização dizem: Vamos criar economias unificadas pelo mundo inteiro e assim todos poderão desfrutar de riqueza e de progresso. O que existe, na verdade, é de uma economia de arquipélagos que a globalização criou” (Jean Ziegler).

“Há três organizações muito poderosas que regulam os acontecimentos econômicos: Banco Mundial, FMI e OMC; são os bombeiros piromaníacos. Elas são, fundamentalmente, organizações mercenárias da oligarquia do capital financeiro invisível mundial” (Jean Ziegler).

“Eu não creio que se possa lutar contra a pobreza e criar uma estratégia de luta contra a pobreza sem lutar contra a riqueza, contra os ricos, pois os ricos são cada vez mais ricos e os pobres cada vez mais pobres” (José Collado, Missionário em Níger).

“Todos os dias neste planeta, segundo a FAO, 100 mil pessoas morrem de fome ou por causa de suas consequências imediatas” (Jean Ziegler).

“O dicionário também foi assassinado”

Hoje as torturas são chamadas de “procedimento legal”, a traição se chama “realismo”, o oportunismo se chama “pragmatismo”, o imperialismo se chama “globalização” e as vítimas do imperialismo, “países em vias de desenvolvimento. O dicionário também foi assassinado pela organização criminosa do mundo. As palavras já não dizem o que dizem, ou não sabemos o que dizem” (Eduardo Galeano).

“Se hoje eu digo que faz falta uma rebelião, uma revolução, um desmoronamento, uma mudança total desta ordem mortífera e absurda do mundo, simplesmente estou sendo fiel à tradição mais íntima, mais sagrada da nossa civilização ocidental. O nosso dever primordial hoje deve ser reconquistar a mentalidade simbólica e dizer que a ordem mundial, tal como está, é criminosa. Ela é frontalmente contrária aos direitos do homem e aos textos fundacionais das nossas civilizações ocidentais” (Jean Ziegler).

“Se houvesse uma só morte por fome em Paris haveria uma revolta”

“A primeira coisa que devemos fazer é olhar para a situação de frente e não considerar como normal e natural a destruição, por exemplo, de 36 milhões de pessoas por culpa da fome e da desnutrição. Se houvesse uma só morte por fome em Paris haveria uma revolta. De nenhum modo devemos permitir que as grandes organizações de comunicação nos intimidem, nem as fábricas das teorias neoliberais das grandes corporações, pois todas as corporações se ocupam, primeiro, de controlar as consciências, de controlar como podem a imprensa e o debate público” (Jean Ziegler).

[OBS: Texto relacionado muito recomendado: O aniquilamento da não-violência (P. Brabo)]

———————————————-

Aturdimentos (sobre as estranhas relações entre o sistema de poder universal e a religião universal) – Ani

O desejo de dominação é uma besta voraz.
Nunca há corpos quentes suficientes
para saciar sua fome monstruosa.
Uma vez viva, essa besta cresce e cresce,
se alimentando de toda vida ao seu redor,
percorrendo a Terra para encontrar
novas fontes de nutrição.
~Andrea Dworkin~

Eduardo Galeano diz que “o atual sistema de poder universal transformou o mundo num manicômio e num matadouro”. Acho que entendo bem do que ele está falando. E concordo. Mas ao mesmo tempo surgiram aturdimentos instintivos, viscerais, em reação ao implícito do verbo “transformou”: em algum momento da história o mundo foi algo diferente de um manicômio e de um matadouro? Quem sabe para os homens? Para as mulheres, suspeito que nunca. E que este está longe de ser o pior momento histórico que vivem, embora seja um filme de horror a frequência com que lemos coisas como as dos links abaixo.

A violência contra a mulher é caso de saúde pública
Feminicídio: a morte de mulheres em razão de gênero
Argentina: violência de gênero e injustiça
Quando as crianças são o alvo
Trabalhos iguais e salários mais baixos: a questão não é só econômica
La baja remuneración de la mujer y la economía mundial
O estupro é terrívelmente comum em conflitos em todo o mundo
Violencia laboral nombrada el principal problema de la mujer en México
Las mujeres afganas se ven obligadas a guardar silencio
Mulheres de Cabul
Talibanes prohibieron a las niñas asistir a las escuelas
Paquistão: escolas femininas desafiam o Talibã
Acoso laboral a mujeres en Rusia
Sobreviventes do terremoto enfrentam estupros no Haiti
Jovem do Afeganistão com o nariz e orelhas cortadas pelo marido
Matrimonios concertados que terminan en trata de niñas
Mulher é condenada a 12 anos de prisão por ter sido estuprada
Rescatan a una niña afgana torturada por su marido
Assassinatos seriais de mulheres na Ciudad Juárez, México
Pastor evangélico estupra e toca fogo em garota de 10 anos
Menina de 8 anos é hostilizada e agredida por judeus ultra-ortodoxos
Una argentina denunció incesto forzado durante 30 años
Áustria: pai aprisiona e abusa sexualmente a filha durante 24 anos
Un estadounidense violó a sus cinco hijas

Tem muito mais em Portal da violência contra a mulher e Machismo mata.

Se alguém acha que isso é coisa desta nova ordem mundial, eu não. (Ver, por exemplo, “O papel das mulhes no mundo greco-romano“, “O que é misoginia” ou algo sobre como foi o genocídio de gênero da caça às bruxas na Europa.) Só acho que, na nova ordem mundial, isso está vindo muito mais à luz, pelo modo como a informação circula, e vindo à luz como problema de toda a sociedade, por ser considerado violação de direitos humanos. Fora dessa ordem, nem sempre se falava em “direitos humanos”, nem a mulher era considerada entre os “humanos”. Coisas assim ficavam silenciadas, ignoradas, nas sombras. Mais terrível ainda.

Então, um aturdimento foi que, ao ver o vídeo sobre a “ordem criminosa do mundo”, me assaltou a clareza de que a ordem do mundo, em muitos aspectos, sempre foi e nunca deixou de ser criminosa, que essa não é nenhuma novidade da atual estrutura de poder mundial.

Vi uma vez esta citação de Karl Marx: “A opressão do homem pelo homem iniciou-se com a opressão da mulher pelo homem”. Será que Marx faria uma associação parecida entre o domínio global “sem rosto” de todos por muito poucos e o modelo do patriarcado milenar, ao qual a feminista Andrea Dworkin se referia como “a religião universal: desprezo por mulheres”?

Outro aturdimento foi que precisamente essa ordem mundial que está tendo suas peculiares faces criminosas destacadas no vídeo, seja uma ordem mundial em que as mulheres parecem estar conseguindo mais brechas minimamente eficazes para combater e ter alguns alívios de outra ordem criminosa, ancestral, uma que sempre existiu para elas.

PS: Não sei, por exemplo, se alguém se pergunta: por que nenhuma mulher está falando nesse vídeo (com Galeano e Ziegler). Desde que comecei a prestar mais atenção e a me perguntar essas coisas, venho me aturdindo cada vez mais, e o tempo todo. “Por que nenhuma mulher falando na mesa desse evento?” “Por que nenhuma mulher falando entre esses cientistas?” Etc etc etc. E cada vez mais me respondo: eis aí outra ordem criminosa do mundo mostrando a cara. E essa é muito muito muito muito mais antiga. E essa parece ainda permanecer naturalizada e, assim, invisível para um número grande demais de pessoas. E a voz de Françoise Héritier não pára de ecoar na minha cabeça: “As gerações futuras ficarão chocadas com o fato de nunca termos tido realmente consciência de que o problema político maior fosse o da igualdade dos sexos. Essa consciência assinará o momento-chave da revolução.” Puta insight. Ela está certa.

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Condição das mulheres, Violências e marcado , , , , , , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s