Os ombros suportam o mundo

Aos poucos vão ficando registrados os poemas preferidos de toda a vida. Faltava Drummond. Não falta mais. Os favoritos que saíram de sua mão são vários. Com o tempo, talvez outros venham se somar a este, no blog.


OS OMBROS SUPORTAM O MUNDO

Carlos Drummond de Andrade

 

                                     Chega um tempo em que não se diz mais: meu Deus.
                                     Tempo de absoluta depuração.
                                     Tempo em que não se diz mais: meu amor.
                                     Porque o amor resultou inútil.
                                     E os olhos não choram.
                                     E as mãos tecem apenas o rude trabalho.
                                     E o coração está seco.

 

                                     Em vão mulheres batem à porta, não abrirás.
                                     Ficaste sozinho, a luz apagou-se,
                                     mas na sombra teus olhos resplandecem enormes.
                                     És todo certeza, já não sabes sofrer.
                                     E nada esperas de teus amigos.

 

                                     Pouco importa venha a velhice, que é a velhice?
                                     Teus ombros suportam o mundo
                                     e ele não pesa mais que a mão de uma criança.
                                     As guerras, as fomes, as discussões dentro dos edifícios
                                     provam apenas que a vida prossegue
                                     e nem todos se libertaram ainda.
                                     Alguns, achando bárbaro o espetáculo,
                                     prefeririam (os delicados) morrer.
                                     Chegou um tempo em que não adianta morrer.
                                     Chegou um tempo em que a vida é uma ordem.
                                     A vida apenas, sem mistificação.

 

                    
Poesia completa e prosa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1977. p. 110-111.

 

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Literatura adorada, Pílulas de poesia e marcado , , . Guardar link permanente.

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s