Ninguém nos conta a História… (mais de Brecht)


Um texto revelador por vezes assombra justamente “por poder ter sempre estado oculto quando terá sido o óbvio” (citando Caetano Veloso). As pirâmides foram feitas mais pelos que arrastaram os blocos de pedras do que por qualquer faraó. A Babilônia, pelos que a ergueram e reergueram, pelos que alimentaram os que a ergueram, pelos que cultivaram e distribuíram esses alimentos. O que a História tem a nos dizer sobre eles, sobre os trabalhadores que mantêm e constroem as sociedades e sua infraestrutura, sobre esses pilares que realmente sustentaram e sustentam o mundo? O que a História nos conta sobre seus nomes, onde moraram e moram, como se sentiram diante das grandes tragédias nacionais, catástrofes naturais, decisões de seus líderes. Não se contam essas histórias. Mas talvez sejam a História que mais interessa e merece sair da invisibilidade e do silêncio. Talvez sejam os trabalhadores anônimos nossas nobres personalidades e nossos heróis históricos. Salve a arte reveladora do óbvio de Bertolt Brecht! Salve, mãos da nobreza, masculinas e femininas, de todas as cores, em seu trabalho operário, artesanal, camponês ou doméstico do dia a dia. Expressa aqui minha admiração, respeito, gratidão.


Operários – Tarsila do Amaral



QUEM FAZ A HISTÓRIA

Quem construiu a Tebas das sete portas?
Nos livros constam os nomes dos reis.
Os reis arrastaram os blocos de pedra?
E a Babilônia tantas vezes destruída
Quem ergueu outras tantas?
Em que casas da Lima radiante de ouro
Moravam os construtores?
Para onde foram os pedreiros
Na noite em que ficou pronta a Muralha da China?
A grande Roma está cheia de arcos do triunfo.
Quem os levantou?
Sobre quem triunfaram os Césares?
A decantada Bizâncio só tinha palácios
Para seus habitantes?
Mesmo na legendária Atlântida,
Na noite em que o mar a engoliu,
Os que se afogavam gritaram por seus escravos.
O jovem Alexandre consquistou a Índia.
Ele sozinho?
César bateu os gauleses,
Não tinha pelo menos um cozinheiro consigo?
Felipe de Espanha chorou quando sua armada naufragou.
Ninguém mais chorou?
Fredrico II venceu a Guerra dos Sete Anos.
Quem venceu além dele?
Uma vitória a cada página.

Quem cozinhava os banquetes da vitória?
Um grande homem a cada dez anos.

Quem pagava as despesas?
Tantos relatos.

Tantas perguntas.

Bertolt Brecht
(1898-1956)

Aqui a minha fonte.

Procura-se o tradutor / a tradutora.
Se souber o nome, agradeço a informação.

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Literatura adorada, Pílulas de poesia e marcado , , , , . Guardar link permanente.

2 respostas para Ninguém nos conta a História… (mais de Brecht)

  1. Labouré Lima disse:

    Nos grandes monumentos estão impressas as marcas das mãos calejadas que se prestaram a construi-lo. Muitos admiram as obras da humanidade e poucos dedicam um mísero minuto da contemplação a pensar nos valores humanos, ‘condenados’ a invisibilidade e ao silêncio, a que se refere o texto, bem escrito e de rara sensibilidade. Grata pela partilha😉

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s