Um poema para a Ressurreição

Domingo de Páscoa. Entregue à aventura de procurar uma frase à altura de celebrar a bela simbologia da Ressureição – acontecimento central do cristianismo, segundo Leonardo Boff -, mas sem ser uma frase cristã. Nada encontrado. Então a memória manda das profundezas a canção de Caetano, baseada num poema de Maiakóvski: O Amor. “Ressuscita-me!” Achado. Era o que Ani precisava. Vai na tradução proposta numa página da web, e na letra da canção de Caetano, um pouco diferente (Será tradução de Augusto de Campos? Será tradução livre de Caetano?) Que a Páscoa seja feliz, sem cruzes eternas: seja Ressurreição.


O Amor
(na web)

Um dia, quem sabe,
ela, que também gostava de bichos,
apareça
numa alameda do zoo,
sorridente,
tal como agora está
no retrato sobre a mesa.
Ela é tão bela,
que, por certo, hão de ressuscitá-la.
Vosso Trigésimo Século
ultrapassará o exame
de mil nadas,
que dilaceravam o coração.
Então,
de todo amor não terminado
seremos pagos
em inumeráveis noites de estrelas.
Ressuscita-me,
nem que seja só porque te esperava
como um poeta,
repelindo o absurdo quotidiano!
Ressuscita-me,
nem que seja só por isso!
Ressuscita-me!
Quero viver até o fim o que me cabe!
Para que o amor não seja mais escravo
de casamentos,
concupiscência,
salários.
Para que, maldizendo os leitos,
saltando dos coxins,
o amor se vá pelo universo inteiro.
Para que o dia,
que o sofrimento degrada,
não vos seja chorado, mendigado.
E que, ao primeiro apelo:
– Camaradas!
Atenta se volte a terra inteira.
Para viver
livre dos nichos das casa.
Para que
doravante
a família
seja
o pai,
pelo menos o Universo;
a mãe,
pelo menos a Terra.
(1923)


O Amor

Talvez
quem sabe
um dia
por uma alameda
do zoológico
ela também chegará
Ela que também
amava os animais
entrará sorridente
assim como está
na foto sobre a mesa

Ela é tão bonita
ela é tão bonita
que na certa
eles a ressuscitarão
O século trinta vencerá
o coração destroçado já
pelas mesquinharias

Agora vamos alcançar
tudo o que não
pudemos amar na vida
com o estrelar
das noites inumeráveis

Ressuscita-me
ainda
que mais não seja
porque sou poeta
e ansiava o futuro

Ressuscita-me
lutando
contra as misérias
do cotidiano
ressuscita-me por isso

Ressuscita-me
quero acabar de viver
o que me cabe
minha vida
para que não mais
existam amores servis

Ressuscita-me
para que ninguém mais
tenha de sacrificar-se
por uma casa
um buraco

Ressuscita-me
para que a partir de hoje
a partir de hoje
a família se transforme
e o pai
seja pelo menos
o Universo
e a mãe
seja no mínimo
a Terra

Sobre Ani

Outros que contem passo por passo | Eu morro ontem | Nasço amanhã | Ando onde há espaço: | – Meu tempo é quando. ~Vinicius de Moraes~
Esse post foi publicado em Literatura adorada, Música, Pílulas de poesia e marcado , , , . Guardar link permanente.

Uma resposta para Um poema para a Ressurreição

  1. Ani, lindo post.
    A forma como vc se entrega à sua sensibilidade me encanta.
    Gosto demais do seu blog. Não apenas por ser um lugar belo, culto e útil. Mas também porque te percebo em suas palavras.
    Isso é admirável.
    Não deixe seu blog lindo.
    Só não venho mais aqui por falta de possibilidade.
    No trabalho me divido e em casa não tenho conexão que me sirva a contento.
    um beijo
    denise

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s